20 quinta-feira, quintas dimensões

 Pussy Riot, Voina: Making punk a threat again?

Passagem de vídeos/performances seguido de conversa com Carlos Vidal, artista plástico; Verónica Metello, doutoranda em Estudos Artísticos; João Lisboa, crítico do Expresso; Party Program, blogue Spectrum, às 22h

A par da complexificação da repressão, entre autoridades e austeridades, também a resistência se tem transformado  e radicalizado.  No passado mês de fevereiro, o colectivo Pussy Riot, usando uma igreja ortodoxa como palco, vomitou uma oração punk anti-Putin. Já antes, várias acções do grupo de street art Voina, também russo, seguem pela mesma bitola da denúncia e ironia, tentando sobretudo criar momentos de superação de toda a autoridade.

Nestas performances, que bebem do punk a sua disrupção de produtor de “melhor arte de todos os movimentos de vanguarda que o precederam”, como afirmou Greil Marcus, e podem arriscar anos de prisão, os autores recusam o catalogação de activistas, preferindo identificar-se como artistas, defendendo que, nos tempos que correm e procurando a verdadeira modernidade, esta é a única forma possível de arte. Será?

 

Anúncios

Deixe um comentário

Ainda sem comentários.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s